Segundo produtor de cacau do Tuerê participa do Salão do Chocolate de Paris

13 Novembro 2019

Francisco Cruz representou os produtores de cacau do projeto ‘Territórios Inclusivos e Sustentáveis na Amazônia’ no maior evento de chocolates do mundo na capital francesa

Pelo segundo ano consecutivo, um produtor familiar de cacau do projeto Territórios Inclusivos e Sustentáveis na Amazônia, promovido pela Solidaridad Brasil desde 2015 no Pará, teve a oportunidade de levar o chocolate produzido com as amêndoas do Tuerê ao Salon du Chocolat (Salão do Chocolate) de Paris.

Depois de José da Silva Rosa, o Zezinho, que esteve na França em 2018, este ano foi a vez de Francisco Cruz, produtor de cacau do assentamento Tuerê, em Novo Repartimento, no Pará. Ele nunca havia viajado de avião – nem dentro do Brasil – e atravessou o oceano pela primeira vez para participar do evento na capital francesa, entre os dias 30 de outubro e 4 de novembro.

“Primeiramente, agradeço à Solidaridad que me deu essa oportunidade. Quando me escolheram para representar os produtores do Tuerê, eu fiquei muito maravilhado”, disse Francisco. Com o apoio técnico da organização, ele produz cacau nas terras da família, focado no atendimento das demandas do mercado de chocolates finos.

O produtor foi um dos vencedores do concurso de chocolates finos do 6º Festival Internacional do Cacau em Belém e, por isso, foi convidado pela Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca do Estado do Pará a participar do Salão de Paris. Ele atribui a esse reconhecimento a motivação para seguir no trabalho de melhoramento das amêndoas. “Não só em relação à quantidade, mas quanto ao seu valor agregado. Depois de participar de um evento como este, a gente vê o mundo com outros olhos, a mente fica mais aberta. Muda algo para sempre”, comentou.

Representantes do Brasil no Salão do Chocolate de Paris - Fotos: Carlos Pará/Cacau Amazônia

O projeto desenvolvido pela Solidaridad com os produtor@s de cacau do Tuerê contribui para a melhoria contínua da produção e na comercialização das amêndoas, como no caso da parceria com a Casa Lasevicius, que produz chocolates finos com a matéria-prima de dez produtores da região.

O Salão do Chocolate de Paris é o maior evento do mundo dedicado a chocolate e cacau. Como catalisador das tendências, o salão reúne 500 expositores de 60 países. Os maiores nomes em chocolate consideram o evento uma importante vitrine para produtores de cacau. E a participação de um dos produtores atendidos pelo projeto foi uma oportunidade para mostrar ao mercado a qualidade do cacau do Tuerê, cujo plantio ajuda a cobrir antigas áreas de pastagem. “Nós aproveitamos para falar da biodiversidade da Amazônia, da importância da preservação. Falamos que o plantio de cacau está crescendo sim, mas em áreas já abertas, que estão passando por reflorestamento”, afirmou Francisco.

Alexandre Costa, fundador da Cacau Show (de preto), foi ao estande do Brasil e conversou com Francisco

Pelo estande do Brasil, onde os chocolates e amêndoas do Tuerê estavam expostos, passaram figuras importantes do setor, como o Alexandre Costa, fundador da Cacau Show. Ele conversou com Francisco, que falou sobre sua realidade de vida e produção no interior da Amazônia.

Para Pedro Santos, consultor da Solidaridad Brasil em Novo Repartimento, o fato de haver produtores de cacau do Tuerê por dois anos seguidos no Salão de Paris é resultado do trabalho desenvolvido pela organização. “Levamos ao produtor conhecimento técnico e a consciência da necessidade de produzir uma amêndoa de qualidade. Nós demonstramos que o nosso cacau tem potencial, e a presença deles no salão é um exemplo disso”.

Conhece mais sobre a produção de cacau no Tuerê assistindo ao vídeo do projeto Territórios Inclusivos e Sustentáveis da Amazônia aqui.

  • Informação de contato

    Joyce Brandão

    Gerente dos Programas de Cacau, Pecuária e Soja